Home > ARTIGOS > Baixa do IPCA de novembro foi explicada pela maior deflação dos preços de alimentação

ARTIGOS

09/12/2016 12:37 por Redação

Baixa do IPCA de novembro foi explicada pela maior deflação dos preços de alimentação

Inflação de 0,18% foi inferior às projeções do mercado; em dezembro, porém, índice deverá mostrar alta de 0,50%

Depec-Bradesco*

O IPCA registrou alta de 0,18% em novembro, conforme divulgado hoje pelo IBGE. O resultado foi inferior  à nossa projeção (0,25%)  e à mediana das expectativas do mercado (0,27%), de acordo com as projeções coletadas pela Bloomberg. Com isso, o índice desacelerou em relação ao mês anterior, quando havia subido 0,26%. Em relação ao nosso número, a surpresa baixista se concentrou no menor avanço dos preços de alimentação fora do domicílio e na maior deflação de gasolina. Assim, o IPCA acumulou elevação de 6,99% nos últimos doze meses, abaixo da alta de 7,87% observada anteriormente.

Leia: IPCA desacelera para 0,18% em novembro e acumula 6,99% em 12 meses.

Cinco dos nove grupos contribuíram para a desaceleração do índice no período, com destaque para o item de alimentação e bebidas, que saiu de uma deflação de 0,05% em outubro para outra de 0,20% no mês passado. No mesmo sentido, os artigos de residência também ampliaram a queda, ao recuarem 0,16% (ante -0,13%). Também merece atenção a forte descompressão do grupo de transportes, que oscilou de uma alta de 0,75% para outra de 0,28%, influenciado pela deflação de gasolina. Em contrapartida, o item despesas pessoais subiu 0,47%, bastante superior à modesta alta de 0,01% registrada em outubro.

Os indicadores de inflação subjacente também registraram menores elevações em novembro, reforçando nossa expectativa de continuidade do processo desinflacionário nos próximos meses. Os preços de serviços, por exemplo, avançaram 0,41%, ante elevação de 0,47% em outubro. No mesmo sentido, os preços de serviços subjacentes desaceleraram de 0,45% para 0,43%, acumulando alta de 6,49% nos últimos doze meses. Na mesma linha, o índice de difusão caiu de 59,0% para 57,1%, seguindo abaixo da média histórica. Por fim, o núcleo de inflação por exclusão apresentou praticamente o mesmo ritmo de alta do mês anterior, ao subir 0,35%.

Para dezembro, o IPCA deverá mostrar alta de 0,50%, diante da menor deflação dos preços de alimentos e dos reajustes de combustíveis anunciados nesta semana. Na variação em doze meses, acreditamos que o índice continuará desacelerando, especialmente por conta da atividade econômica enfraquecida, que vem favorecendo a descompressão da renda nominal.

* Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos do Bradesco.

'
Enviando