Home > DOCES E SALGADOS > Trump rejeita plano bipartidário de imigração proposto por grupo de senadores

DOCES E SALGADOS

12/01/2018 10:39 por Redação

Trump rejeita plano bipartidário de imigração proposto por grupo de senadores

Presidente americano nega ter usado a expressão "países de merda" durante apresentação do projeto

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rejeitou nesta sexta-feira (12) um plano bipartidário de imigração proposto por um grupo de senadores, dizendo que o projeto não financiava adequadamente seu muro ao longo da fronteira com o México.

Segundo Trump, os Estados Unidos “seriam forçados a aceitar um grande número de pessoas de países com alta criminalidade que estão indo mal” sob a proposta bipartidária.

“O chamado acordo bipartidário apresentado ontem para mim e para um grupo de senadores e parlamentares republicanos era um grande passo para trás”, escreveu Trump no Twitter, um dia depois que o grupo disse ter chegado a um acordo inicial para proteger da deportação os jovens levados ilegalmente aos EUA por seus pais, os chamados “sonhadores”.

“Países de merda”

Após relatos de que teria se referido ao Haiti e a países africanos como “países de merda” durante a apresentação na véspera do projeto sobre imigração, Trump disse, também no Twitter, que usou uma linguagem “dura, mas que essa não foi a linguagem utilizada” na reunião.

De acordo com fontes ouvidas pela Reuters, o presidente americano questionou por que o país deveria receber imigrantes do Haiti e de países africanos, se referindo a alguns como “países de merda”.
O destempero de Trump teria ocorrido na Casa Branca, durante reunião em que o senador democrata Dick Durbin e seu colega republicano Lindsey Graham atualizavam o presidente sobre um recém-esboçado projeto de lei de imigração.

Os parlamentares descreviam como certos programas imigratórios operam, incluindo um que fornece porto seguro nos EUA para pessoas de países que sofrem desastres naturais ou guerras civis.

Uma das fontes que foi informada sobre a conversa disse que Trump falou: “Por que nós queremos todas essas pessoas da África aqui? Eles são países de merda... Nós deveríamos ter mais pessoas da Noruega”.

Outras autoridades do governo estavam presentes durante a conversa, disseram as fontes.

Críticas - Muitos parlamentares democratas e alguns republicanos criticaram o presidente por suas afirmações. A deputada republicana Mia Love, filha de imigrantes haitianos, disse que os comentários foram “insensíveis, elitistas e ficam longe dos valores de nossa nação”, e pediu para Trump se desculpar ao povo norte-americano e aos países que denegriu.

Outra deputada republicana, Ileana Ros-Lehtinen, que nasceu em Cuba e cujo distrito no sul da Flórida inclui muitos imigrantes haitianos, disse: “Linguagem como esta não deveria ser escutada em vestiários e não deveria ser escutada na Casa Branca”.

O senador democrata Richard Blumenthal, frequente crítico a Trump, disse que os comentários do presidente “cheiram a racismo flagrante, o mais odioso e insidioso racismo mascarado porcamente como política de imigração”.

'
Enviando