Home > DOCES E SALGADOS > Produção paulista caiu 2,6% e puxou queda da indústria em novembro, aponta IBGE

DOCES E SALGADOS

14/01/2020 09:14 por Redação

Produção paulista caiu 2,6% e puxou queda da indústria em novembro, aponta IBGE

Dos 15 locais pesquisados, 11 mostraram taxas negativas, em linha com a queda geral de 1,2% da produção industrial no penúltimo mês de 2019

A produção industrial de 11 dos 15 locais pesquisados recuou em novembro de 2019, em linha com a queda de 1,2% da indústria nacional. Essa disseminação de resultados negativos é a maior desde novembro de 2018, quando também foram registradas taxas negativas em 11 locais. O principal destaque foi São Paulo, estado de maior influência na produção industrial (34% do total da indústria), com queda de 2,6%, a taxa negativa mais intensa desde setembro de 2018 (-3,1%). Os dados são da Pesquisa Industrial Mensal Regional, divulgada hoje (14) pelo IBGE.

“O recuo foi atribuído à influência negativa do setor de alimentos, principalmente o açúcar, compensando a alta inesperada do mês anterior. Outro fator que afetou a produção industrial de São Paulo foi a redução da produção do setor de veículos automotores, especialmente automóveis, devido ao período de férias coletivas, após a antecipação de produção em outubro”, explica o analista responsável pesquisa, Bernardo Almeida.

O Paraná apresentou a segunda maior influência negativa com queda de 8%, segunda taxa negativa consecutiva e a mais intensa desde maio de 2018 (20,1%), quando ocorreu a greve dos caminhoneiros. A queda é devido à redução na produção de derivados de petróleo (refino) e na produção de veículos automotores, também em função das férias coletivas após antecipação da produção em outubro.

Como destaque positivo, o Rio de Janeiro cresceu 3,7%, a segunda alta consecutiva e a mais intensa desde julho de 2018 (6,8%), puxada pelo setor extrativo (petróleo de gás natural). O segundo setor que afetou positivamente a produção industrial do Rio de Janeiro foi a produção de derivados de petróleo (refino).

As baixas:

• Paraná: -8,0%
• Espírito Santo: -4,9%
• Pernambuco: -4,1%
• Bahia: -3,5%
• Minas Gerais: -3,4%
• São Paulo: -2,6%
• Pará: -1,8%
• Rio Grande do Sul: -1,5%
• Região Nordeste: -1,0%
• Santa Catarina: -0,5%
• Goiás: -2,1%

O Amazonas registrou variação nula (0,0%).

Em alta:

• Rio de Janeiro: 3,7%
• Ceará: 3,4%
• Mato Grosso: 2,7%

No acumulado de 12 meses (queda geral de -1,3%), sete localidades tiveram resultados negativos:

• Espírito Santo: -13,5%
• Minas Gerais: -4,5%
• Região Nordeste: -3,9%
• Pernambuco: -2,9%
• Mato Grosso: -2,8%
• Bahia: -2,5%
• São Paulo: -0,1%

Os avanços:

• Paraná: 5,0%
• Goiás: 3,1%
• Rio Grande do Sul: 2,6%
• Santa Catarina: 2,3%
• Amazonas: 2,2%
• Rio de Janeiro: 1,8%
• Ceará: 1,0%
• Pará: 0,2%

Veja o levantamento completo do IBGE aqui (pdf).

'
Enviando