Home > TOME NOTA > Serasa Experian promove encontro para renegociação de dívidas entre empresas

TOME NOTA

15/03/2017 12:31 por Redação

Serasa Experian promove encontro para renegociação de dívidas entre empresas

Gestores de todo o país terão condições especiais em evento presencial na próxima semana, em São Paulo, e também pela internet

A Serasa Experian realizará nos dias 21 e 22 de março (terça e quarta da próxima semana) a primeira edição do “Encontro Serasa Recupera PJ”, que reunirá, em São Paulo, empresas e credores para renegociação de dívidas com descontos ou condições especiais.

Segundo a Serasa, o evento contará com participação de “importantes credores dos segmentos das indústrias, financeiro e atacadistas”. As empresas devedoras interessadas devem agendar atendimento pelo www.serasarecupera.com.br.

Adicionalmente, as empresas devedoras de todo país podem participar da versão online do evento, com cerca de 200 credores participantes, entre os dias 20 e 24 de março.

O quadro da inadimplência

Estudo da Serasa Experian aponta que, em janeiro de 2017, o número de CNPJs negativados registrou recorde histórico e chegou a 4,9 milhões, o maior registrado desde março de 2015, quando o levantamento passou a ser feito. O valor dessas contas não pagas totalizam R$ 112,7 bilhões, média de R$ 23,167 mil por empresa devedora. Em março de 2015, o país contabilizava 3,8 milhões de CNPJs com contas atrasadas.

Dos 4,9 milhões de CNPJs negativados, 46,2% são empresas do setor de serviços; 44,2% do comércio e 8,8% são indústrias.

Do total de empresas negativadas, a maioria (46,5%) possui quatro ou mais dívidas; 31,8% têm apenas uma conta atrasada;13,3% acumulam dois débitos em aberto e 8,3% possuem três pendências. Entre as negativadas, 58,0% devem para apenas um credor; 21,7% estão inadimplentes com três ou mais e 20,3% possuem dois credores.

Com relação ao tempo das dívidas, a maioria (24,3%) tem débitos com idade entre um e dois anos; 18,4% estão inadimplentes entre dois e três anos e para 15,0% do total de companhias no vermelho, as contas em aberto se arrastam entre três e quatro anos.

A maioria das empresas que não conseguiu arcar com as despesas e entrou para a lista de inadimplência está no mercado entre dois e cinco anos (33,2%); 25,2% delas estão em atividade entre seis e dez anos e 22,9% do total das companhias endividadas atuam há mais de 15 anos.

'
Enviando