Home > DOCES E SALGADOS > Custos industriais tiveram segundo menor crescimento da série em 2017, diz CNI

DOCES E SALGADOS

19/03/2018 15:16 por Redação

Custos industriais tiveram segundo menor crescimento da série em 2017, diz CNI

Indicador subiu apenas 0,6% em relação a 2016; queda dos custos tributários e com capital de giro contribuiu para o resultado

Os custos da indústria brasileira com energia subiram 4,3% no último trimestre de 2017 em relação ao terceiro trimestre, com o ajuste sazonal. O aumento foi puxado pela alta de 11,1% do óleo combustível, provocada pela evolução dos preços internacionais do petróleo. Além disso, o preço da energia elétrica teve uma alta de 2,8%.

Os dados são do Indicador de Custos Industriais, divulgado nesta segunda-feira (19) pela Confederação Nacional da Indústria.

Conforme o estudo trimestral, os custos com energia e com os produtos intermediários nacionais e importados foram os responsáveis pelo aumento de 1,6% no indicador de custos industriais do último trimestre de 2017 na comparação com o período imediatamente anterior, descontados os efeitos sazonais. O indicador de custos com intermediários domésticos subiu 3% e o de intermediários importados cresceu 3,7% no período.  A CNI observa que, mesmo com aumentos expressivos, a energia e os insumos importados têm participação menor no custo da indústria.

O indicador de custos com pessoal subiu 0,5% no quarto trimestre de 2017 em relação terceiro, na série com ajuste sazonal. No entanto, as quedas de 7,6% dos custos com capital de giro e de 1,2% no custo tributários compensaram os outros aumentos, analisa a CNI. Com o aumento de 1,6% no último trimestre, o indicador de custos industriais fechou 2017 com um crescimento de 0,6% na comparação com 2016. Foi o segundo menor aumento desde 2007, quando o indicador começou a ser calculado, e só ficou à frente da queda de 1,9% nos custos registrada em 2009. }

"O baixo crescimento dos custos em 2017 derivou tanto de um crescimento mais moderado nos custos com pessoal e com intermediários domésticos quanto da queda do custo com intermediários importados e com capital de giro", diz o estudo.

Entre os componentes do custo de produção, o que mais subiu em 2017 foi o custo com pessoal, que teve um aumento 3,8% frente a 2016. O custo com energia aumentou 3,4%; com bens intermediários, subiu 1,1%. O custo tributário caiu 0,4% e o de capital de giro recuou 20,9%.

Lucro e competitividade - Enquanto os custos industriais subiram 0,6%, os preços dos produtos manufaturados aumentaram 1,6% no mercado interno em 2017 frente a 2016. Com isso, as empresas conseguiram recompor as margens de lucro, mas continuaram perdendo competitividade diante dos importados.

Os preços dos produtos manufaturados importados caiu 7,7% em reais; os preço dos produtos manufaturados no mercado dos Estados Unidos diminuíram 6,2%.

Ledioa o relatório do Indicador de Custos Industriais do 4º trimestre de 3017 aqui.

'
Enviando