Home > DOCES E SALGADOS > Uso inteligente de recursos naturais pode injetar US$ 2 trilhões na economia até 2050

DOCES E SALGADOS

20/03/2017 08:17 por Redação

Uso inteligente de recursos naturais pode injetar US$ 2 trilhões na economia até 2050

Avaliação é da ONU; ação também compensaria custos de medidas ambiciosas de combate às mudanças climáticas

O uso mais inteligente e eficiente dos recursos naturais do mundo hoje em dia pode injetar US$ 2 trilhões na economia global até 2050 e também compensar os custos de uma ação ambiciosa contra a mudança climática. A estimativa é da ONU.

Em um comunicado, o chefe da ONU Meio Ambiente, Erik Solheim, citou uma nova pesquisa do Painel Internacional de Recursos, um grupo de especialistas de gestão de recursos naturais ligado. Segundo Solheim, “fazendo um uso melhor dos bens naturais do planeta”, é possível “injetar mais dinheiro na economia para criar empregos e aprimorar meios de subsistência”, além de “criar os fundos necessários para financiar uma ação climática ambiciosa”.

De acordo com projeções, a população mundial deve crescer 28% até 2050 e usar 71% a mais de recursos por pessoa, relata a Rádio ONU. Sem medidas urgentes para aumentar a eficiência, o uso global de metais, biomassa, minerais e outros materiais vai subir de 85 bilhões para 186 bilhões de toneladas por ano no mesmo período.

O relatório “Eficiência de Recursos: Potencial e Implicações Econômicas”, encomendado em 2015,  aponta que o investimento em uma ação climática ambiciosa causaria uma queda de 3,7% no produto global bruto per capita até 2050.

No entanto, segundo o documento, o uso mais sustentável de materiais e energia não apenas cobriria o custo de manter o aquecimento global abaixo dos 2 graus Celsius, mas também adicionaria US$ 2 trilhões na economia global até 2050.

Outras conclusões apontam para ganhos econômicos assimétricos pela eficiência de recursos e extração mais lenta que afetaria algumas indústrias como mineração e extração.

Segundo o relatório, os países ainda ganhariam mais implementando políticas de compensação e transferência para facilitar a transição para práticas mais eficientes do que continuando a apoiar atividades ineficientes.

Além dos benefícios econômicos, a análise mostra que a eficiência e ação climática reduziriam o uso global de recursos em cerca de 28% em 2050 em comparação com tendências atuais.

'
Enviando