Home > DOCES E SALGADOS > Avanço do coronavírus derruba mercados em todo o mundo

DOCES E SALGADOS

27/01/2020 12:42 por Redação

Avanço do coronavírus derruba mercados em todo o mundo

No Brasil, Ibovespa recua mais de 2% com noticias de aumento do número de casos na China; vírus já chegou a 14 países

O avanço do coronavírus na China e os temores de que se espalhe mais rapidamente pelo mundo estão derrubando os mercados globais. No Brasil, o Ibovespa, principal índice da B3, a Bolsa de Valores de São Paulo, recuava 2,42% às 12h20, para 115.515 pontos, enquanto o dólar tinha alta de 1%, cotado a R$ 4,2268, assinala o Estadão.

A Bolsa de Tóquio fechou com queda de 2,03%, a maior em cinco meses. As Bolsas europeias também operavam em queda. Feriados em algumas partes da Ásia e do Pacífico mantiveram fechados hoje (27) os mercados da China, Hong Kong, Taiwan, Coreia do Sul e Austrália. Por temor de cancelamento em passagens aéreas, na Europa várias ações de empresas do setor operam com perdas.

Há casos confirmados da doença em 13 países: China (2.744 casos, além de outros 6 em Hong Kong, 5 em Macau e 3 em Taiwan); Estados Unidos (5); Tailândia (7); Austrália (4); Malásia (4); Cingapura (4); França (4); Japão (4); Coreia do Sul (3); Vietnã (2); Canadá (2); Arábia Saudita (1); e Nepal (1).

Numa tentativa de conter a epidemia do coronavírus, a China decidiu hoje ampliar em três dias o feriado do ano-novo lunar, que normalmente se estende por uma semana e terminaria na quinta-feira.

O Danske Bank, da Dinamarca, estimou que o surto do coronavírus pode reduzir o PIB da China em 0,8 ponto porcentual no primeiro semestre. Em relatório enviado a clientes, a instituição diz que a província de Hubei, epicentro da doença, representa 4% da economia chinesa. Segundo a análise, o setor de serviços deve ser o mais atingido pela disseminação do vírus. Além disso, o varejo também será afetado, mas o impacto deve ser mitigado pela relevância das vendas online. "As pessoas ficarão em casa, não irão ao cinema, a shows, restaurantes e vão reduzir viagens", destaca o documento.

Na avaliação do Danske Bank, o surto representa um evento sem precedentes porque a China de hoje é uma economia moderna e integrada ao resto do mundo. "As incertezas estão aumentando para os chineses e, portanto, para a economia global e os mercados financeiros", afirma.

Risco elevado - A Organização Mundial da Saúde (OMS) passou a classificar como "elevado" o risco internacional de contaminação pelo novo coronavírus. O novo status, divulgado nesta segunda-feira (27), é uma correção na avaliação feita há alguns dias pela OMS.

Da família dos coronavírus, como o SARS, o vírus 2019-nCoV causa sintomas gripais em pessoas que o contraíram e pode levar à síndrome respiratória grave.

Efeitos no mercado brasileiro

De acordo com um analista ouvido pelo Estadão/Broadcast, não há como a Bolsa brasileira escapar das notícias negativas em relação ao coronavírus. "As commodities estão caindo, e isso deve atingir as mineradoras, siderúrgicas e as aéreas", diz um analista. Na sexta, o Ibovespa já havia fechado em linha com o mercado externo, ao cair 0,96%, aos 118.376,36 pontos.

Leia mais:
Coronavírus: China isola 40 milhões de pessoas e fecha monumentos
Coronavírus: reforço do controle em portos e aeroportos

'
Enviando