Home > ADVILLAGE > China reage aos EUA com lista de empresas estrangeiras "não confiáveis"

ADVILLAGE

31/05/2019 07:56 por Advillage

China reage aos EUA com lista de empresas estrangeiras "não confiáveis"

Pequim anuncia a medida um dia antes de começar a aplicar um aumento de tarifas a produtos americanos no valor de US$ 60 bilhões

A China anunciou nesta sexta-feira (31) a criação de uma lista negra de empresas estrangeiras "não confiáveis" como resposta às medidas dos Estados Unidos contra a gigante chinesa Huawei, em plena escalada da guerra comercial entre as duas potências.

A medida foi revelada um dia antes de Pequim começar a aplicar, a partir de 1º de junho, um aumento de tarifas a produtos americanos no valor de US$ 60 bilhões, assinala a AFP.

Em meados deste mês, o governo Trump incluiu a Huawei em uma lista de empresas suspeitas, para as quais os grupos americanos não podem vender material tecnológico. A empresa, que depende de chips eletrônicos de fabricação americana para equipar seus smartphones, foi gravemente afetada e sua própria existência está em jogo, de acordo com analistas.

O anúncio feito hoje parece uma resposta de Pequim à ofensiva da Casa Branca. "As empresas, organizações e particulares estrangeiros que não respeitam as normas de mercado, que se afastam do espírito de um contrato, que impõem embargos, ou param de fornecer peças para empresas chinesas por motivos não comerciais e afetam gravemente seus interesses e direitos legítimos serão colocadas em uma lista de entidades não confiáveis", afirmou o porta-voz do Ministério do Comércio, Gao Feng.

A decisão da China de criar a própria "lista negra" pode ser uma forma pressionar empresas estrangeiras a preservarem relações comerciais com a Huawei. O Google, cujo sistema operacional Android é vital para os smartphones da Huawei, está entre as empresas que anunciaram a intenção de cumprir a decisão do governo americano.

O governo americano alega que a Huawei tem “vínculos estreitos” com o Partido Comunista Chinês e que é, de fato, um cavalo de Troia que serve aos interesses do serviço de inteligência de Pequim. A Huawei - segunda maior fabricante mundial de smartphones e líder no desenvolvimento das redes 5G de próxima geração - nega de modo veemente as acusações.

Após as medidas contra a Huawei, a imprensa chinesa insinuou que Pequim poderia reduzir as exportações de terras raras aos Estados Unidos, o que privaria as empresas americanas de um recurso fundamental para a fabricação de smartphones, aparelhos de TV e equipamentos militares, entre outros. Terras raras é o nome que se dá a um grupo de 17 elementos químicos que servem a grande variedade de aplicações tecnológicas.

Leia mais:

Huawei anuncia nova ofensiva contra medidas de Trump
"EUA subestimam nossa empresa", diz fundador e CEO da Huawei
Após decreto de Trump, Google corta laços com a Huawei


Siga-nos no Twitter

'
Enviando