Home > ANTONIO MACHADO > Se não tivesse o que mostrar, até daria para entender Bolsonaro como animador de Twitter

ANTONIO MACHADO

12/01/2020 14:05 por Antonio Machado

Se não tivesse o que mostrar, até daria para entender Bolsonaro como animador de Twitter

Há duas tendências em curso. 1ª, da retomada cíclica, que parece engrenar; 2ª, não resolvida, decorre do que sempre faltou – o progresso por empreendedores privados

Factoides e lacração 

De distrações a agenda política nacional é farta – do tal juiz de garantias, que preencheu o noticiário esvaziado na virada do ano, ao assassinato do general iraniano a mando de Donald Trump. Tudo isso tem lá alguma importância, mas menos pelas razões aparentes.

O juiz de garantias é parte do conflito aberto entre a hierarquia superior do Judiciário e os procuradores da força tarefa da Lava Jato, sobretudo a de Curitiba, ainda sob a influência do ministro Sergio Moro. Suas intenções são vistas com reservas no Congresso e pelo presidente Jair Bolsonaro. Esse é um conflito cada vez menos enrustido, que deve estender-se até a véspera das eleições de 2022.

Já o conflito dos EUA com o Irã está mais para um minueto com dois rivais não tão ocultos, Rússia e China, que para a vontade de Trump de repetir as desastrosas aventuras de George W. Bush no Iraque e de Barak Obama no Afeganistão. O ruído dessa guerra sem fim ecoou aqui em boa parte pela falta de clareza da política externa de Bolsonaro, ao sugerir a necessidade de se mostrar alinhado a Trump.

De Moro, mais popular que ele próprio junto à classe média que se afastou do PT, Bolsonaro não tem como abrir mão, nem cutucar muito abertamente, dado o explosivo processo que corre no Rio contra seu filho Flávio. Ao mesmo tempo, depende de ministros do STF para que as investigações não se acelerem, e o seu aparato nas redes sociais para difamar a cúpula da Câmara e do Senado já não tem tanta eficácia.

Em vez de enfraquecer o Congresso, a campanha contra o que seria a “velha política”, bordão dos bolsonaristas indiferentes aos 28 anos de Bolsonaro no legislativo e aos três filhos que elegeu, não apenas unificou os partidos de centro-direita sob a liderança do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, como os levou a retomar o comando da agenda parlamentar, usurpada nos governos passados.

Se não tivesse resultados para mostrar, com boa vontade até daria para entender seu papel de animador de Twitter, explorando o que se chamava de factoide, o antepassado da lacração. Mas não. A economia está engatando a segunda marcha, depois de dois anos de recessão e três de estagnação. Delegou tal papel ao ministro Paulo Guedes, que encanta os salões festivos do mercado financeiro, mas está longe de ser unanimidade até no empresariado. E segue o baile do atraso.

Duas tendências em curso

Ajuda a compreensão sobre o que se passa na economia considerar que há duas tendências em curso. A primeira é a da retomada cíclica que, em geral, se segue às fases de retração do crescimento. Essa é a que estamos assistindo com enorme atraso, e parece que deverá engrenar.

A segunda não se confunde com a tendência atual. Ela decorre do que sempre faltou na essência de nosso desenvolvimento - a liderança dos empreendedores privados dispostos a ir além do trivial e fazer mais.

O franco-americano Michael Pettis, há anos professor na Universidade de Pequim e que conheceu o Brasil como diretor do antigo banco Bear Stearns, conta que nos EUA foram indivíduos em busca de oportunidades lucrativas na marcha para o Oeste que puxaram o governo e o investimento.

“No Brasil, havia pouco incentivo para particulares liderarem o processo”, diz. “Foi o governo que liderou, e as empresas privadas foram atrás porque o gasto público criou as oportunidades de lucro. Quando tais gastos pararam, os negócios também pararam.”

Esse tipo de dirigismo é o que Lula e Dilma fizeram depois da grande crise de 2008, levando à debacle das finanças estatais e particulares e à corrupção sistêmica nas relações entre o público e o privado.

A trava para ser rompida

O desenvolvimentismo falha recorrentemente no Brasil não bem por ser intrinsecamente errado, mas por ignorar dois traços históricos: , a captura do Estado pelas burocracias encarregadas de geri-lo, aliadas a setores econômicos retrógrados, deixando como sequela a pobreza da maior parte da sociedade e o atraso intelectual; , a perpetuação do sistema de proteção e apoio aos novos negócios, como o automotivo, protegido desde a sua entrada no Brasil, no fim dos anos 1950.

Apoiamos indústrias, inclusive estrangeiras, voltadas para o consumo doméstico, incapazes, portanto, de competir no exterior, quanto mais de enfrentar a concorrência externa. Os governantes do passado também se limitaram ao crédito estatal e subsidiado, ignorando a experiência dos EUA, emulada, segundo Pettis, “pela Alemanha na década de 1930, a União Soviética no início da Guerra Fria, o Brasil durante o chamado milagre, a Coréia do Sul após a guerra civil, o Japão antes de 1990 e a China hoje - para citar apenas os casos mais importantes e óbvios”.

É essa trava que precisamos romper para reaver o desenvolvimento de verdade, que só se viabiliza com investimento, competição, inovação e foco total na incorporação dos pobres à cidadania e ao consumo.

Razões do fracasso do país

Se der atenção a tais eventos, e não precisa ir longe, basta estudar os textos da época em que a Escola Superior de Guerra pensava o país, Bolsonaro terá conteúdo melhor para “lacrar” no Twitter e nas “lives” semanais. E Paulo Guedes toparia?

Ele talvez tenha que se reciclar, e poderia começar por Chicago, escola onde se graduou e admira.

Num podcast do inglês James Robinson, coautor de Por que as Nações Fracassam, gravado na Universidade de Chicago meses atrás, ouvirá que o Brasil é um país literalmente “preso” na armadilha da renda média há décadas, com PIB per capita de US$ 8.350 em 1975 e hoje de apenas US$ 11.000 (em dólar de 2010).

Fato é que ou sacudimos o país de alto a baixo ou esqueçamos o futuro. Que já é passado para muitos no mundo.

O que traz a prosperidade

O ano que começa será para a economia o que deveria ter sido 2019: a transição para um tempo promissor a novas iniciativas ou, ao contrário, aos interesses curtoprazistas? Depende de reformas, como a tributária e sobretudo a da gestão do funcionalismo público, mas, com maior relevância, de outro olhar sobre o que faz um país prosperar.

Não importa a ideologia. Importa se a economia serve ao bem-estar da população. Como faz? Reformando o Estado, que envelheceu. Em paralelo, fortalecer a pequena empresa inovadora, que é a que mais emprega, e dar prioridade à autonomia do pobre com habitação, regularização de ocupações estáveis, saneamento, saúde e educação, que são gratuitas, mas não precisam ser estatais.

Em suma, abrir a cabeça. E deixar que cada um faça de sua vida o que quiser.

*Antonio Machado é jornalista, colunista dos jornais Correio Braziliense e Estado de Minas, editor do Cidade Biz (www.cidadebiz.com.br)

'
Enviando